Direito Tributário - Direito Civil - Direito Empresarial
Direito do Consumidor - Direito de Família
Direito Criminal - Direito Constitucional - Direito do Trabalho
Segunda-feira
16 de Julho de 2018 - 

Área Processual do Cliente

Caro cliente, insira seu e-mail e senha para acessar os dados de seu processo.

Notícias

Newsletter

Previsão do tempo

Domingo - Macapá, AP

Máx
30ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva

Hoje - Macapá, AP

Máx
31ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - Macapá, AP

Máx
31ºC
Min
23ºC
Poss. de Pancadas de

Quarta-feira - Macapá, AP

Máx
31ºC
Min
24ºC
Pancadas de Chuva

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Vítimas de roubo receberão atendimento humanizado em Santana

O “Projeto Restaurar: Humanização no Atendimento às Vítimas” foi lançado, na manhã desta quarta-feira (9), na Promotoria de Justiça de Santana. A iniciativa está dentro de uma parceria firmada entre a 1ª Vara Criminal, Centro Judiciário de Solução de Conflitos (CEJUSC), 1ª Promotoria Criminal e Núcleo de Práticas Restaurativas da Promotoria de Santana. De acordo com a titular da 1ª Vara Criminal da Comarca de Santana, juízaPriscyllaPeixotoMendes, a ideia do projeto surgiu de um sentimento de desconforto quanto à atenção às vítimas, tendo em vista que o crime de roubo causa danos muito além do material. “Com o projeto, vamos buscar conhecer os danos patrimoniais e extrapatrimoniais sofridos pelas vítimas, além de averiguar quais suas reais necessidades, dando os devidos encaminhamentos a serviços de assistência social, de saúde, psicológico etc.”, adiantou a magistrada. Ainda de acordo com a magistrada, a iniciativa se deve à constatação de que as vítimas de roubo, muitas vezes, “não comparecem às audiências criminais voltadas para o réu nos processos, muitas por medo ou por trauma”, relatou, acrescentando que “essa situação tem que mudar”. Para a titular do Juizado da Infância e Juventude de Santana, juíza Larissa Noronha, o atendimento às vítimas também visa tirar o estigma de impunidade para casos de roubo, reiterando que é importante a participação das vítimas no processo judicial. “Por muito tempo as vítimas atuavam apenas como meio de provas nos processos criminais, mas sabemos que ser vítima de um crime – por menor que ele seja seja – deixa a pessoa abalada”, lamentou a juíza. “Esse é um dos objetivos da justiça restaurativa: mudar o foco do agressor para as necessidades da vítima”, explicou a magistrada Larissa Noronha. A coordenadora do Núcleo de Mediação, Conciliação e Práticas Restaurativas (NMCPR) da Promotoria de Justiça de Santana, promotora Sílvia de Souza Canela, destacou que o intuito é criar um canal direto com a vítima, entender suas necessidades e ampliar a atuação do ministério. “Nossa finalidade é voltar ainda mais o olhar para a vítima”, explicou. “É preciso empoderar, curar e restaurar a vítima que sofreu um trauma, que ficou ferida e até quebrada por dentro... Esse é o papel dos círculos restaurativos: fazer com essa pessoa se sinta forte novamente”, frisou a promotora. “Fui vítima de roubo e digo que é uma experiência nada agradável” O relato é do Promotor de Justiça Anderson Batista de Souza da1ª Promotoria Criminal e Núcleo de Práticas Restaurativas da Promotoria de Santana em discurso proferido durante o lançamento do projeto. “Eu diria que é uma experiência lamentável que todos nós, de alguma forma, estamos passando e que é vivenciada tanto por nós mesmos quanto por nossos familiares”, observou, afirmando que “é uma experiência nada agradável, e esse projeto tem essa preocupação de olhar com um pouco mais de empatia para todos que passam por isso”, relatou o promotor. Na primeira etapa do projeto serão oferecidos círculos restaurativos de apoio e suporte para as vítimas de roubo de 14 ações criminais ajuizadas de janeiro a abril de 2018. Os trabalhos em círculos são coordenados pela assistente social e supervisora do Cejusc de Santana, Neide Santos. “Primeiro nós vamos ouvir as vítimas sobre o fato, saber o que elas estão sentindo e o que elas precisam para superar esse medo que ficou depois do crime”, explicou Neide.
10/05/2018 (00:00)

Contate-nos

Al. Oiapoque  15
-  Alvorada
 -  Macapá / AP
-  CEP: 68900-000
+55 (96) 981210218
Visitas no site:  2942
© 2018 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia